segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

RESERVA BIOLÓGICA DO ALTO DA SERRA DE PARANAPIACABA

Foi muito bom passar a semana coletando fungos na Reserva.
Eu que tive pouca experiência de coletas, ADOREI.
Sempre ouvia os professores descrevendo como era ficar na mata e ria litros, porque achava engraçado eles contando curiosidades capiciosas.. hahahaha
Agora eu ja posso descrever algumas também, como por exemplo:
Sr Vitor diz: Poliana, isso é uma ORTIGA tá! Dai a pessoa esperta aqui, vai lá e encontra um monte e quase escorrega em cima... Tirando.. Sr Vitor: Cuidado, escorrega! Poliana: (sonomatopéia - TIBUM)... (pode rir, Sr Vitor também riu, mas o Jadson que estava atrás, acho que riu muito mais)...
É, pimenta nos outros é refresco... rsss

Mas foi muito emocionante a semana que passei, me lembrei de uma amiga de graduação que iria gostar muito de estar lá. (Beijos Si)...
Muitos tombos, muitos hematomas, muitas escaladas, dores.. nossa, quantas DORES... Consegui até emagrecer. Meu "chefe" Jadson me fazia levantar as 5h pra ir coletar e só saíamos da trilha lá pelas 13h... caminhada.. fungos... caminhas... fungos.. e fotos, fotos, descrições, inumeras descrições, numero de trilhas... Pra chegar na casa do Naturalista onde a gente passava a noite, tinha que subir 3 ladeiras de tirar o folêgo até do ligeirinho (que é uma carinha que corre em léguas, lá da minha cidade do interior - Mirandópolis)..
Ah me esqueci de falar que nesta semana, somente UM DIA FEZ SOL... haha
Então já imagina né, lodo + chuva = TOMBO, +/- 6h de caminhada nas trilhas (fechadas), com maletas com fungos, capa de chuva e dale pernaaassss.. rssss

Foi bom, e eu queria compartilhar algumas fotinhas com quem aparece por aqui as vezes. rss
E aproveitar pra indicar que do outro lado desta Reserva, fica o Parque Nacional de Paranapiacaba e tem até pousadas pro pessoal que quiser fazer algumas trilhas, não fui lá, mas se for que nem na reserva, então é (massa).. rsss
Beijoooossss pessoal.





Entolomataceae


Bicho grilo.. rsss


Bicho Homem



Essas fotos foram dos trajetos, das trilhas e do local, agora algumas fotinhas de Agaricales.



























FIM

Fotos por Poliana Ventura e Jadson Oliveira

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Pintor com os pés

Este é Moacir Ferraz pintor desde jovem, morador de Lucélia e tem seu nome consagrado no livro dos pintores com pés e boca do mundo, descobriu o seu talento quando criança e com o apoio de seu pai, começou a pintar telas de paisagens de onde passava. Disponível também no Jornal Diário de Fato.



Foi um privilégio muito grande poder recebê-lo em nossa cidade e poder presenciar alguns maravilhosos minutos de sua dedicação a uma tela, que dava origem a um lindo quadro.

Encontro maravilhoso.



Poliana de Oliveira Ventura

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Projeto Ser Ecológico


FOTO: Poliana, Edilene, Fred, Nice e Roberto


Foi aplicado no mês de novembro o Projeto Ser Ecológico. Inicialmente o projeto foi aplicado com as Crianças do CEMPES que é um Centro Educacional Municipal. E o plano é continuar o projeto aplicando-o em todas as escolas da cidade.
Uma iniciativa do Departamento de Cultura da cidade de Mirandópolis com o apoio da Prefeitura Municipal da mesma.
Um convite feito a mim por Fred, escrevemos o projeto intitulado de Ser Ecológico, onde a consciência ecológicas das crianças pudesse ser despertada para novas atitudes e hábitos.
Por conta disto, resolvemos falar sobre reciclagem e aproveitamos um programa de coleta seletiva que nossa cidade faz em parceiria da FUNAP, para poder divulgar a importância desse programa e a importância de estarem separando o lixo em casa. E quais benefícios traria à natureza esta atitude.
Com base a uma visita à Global Reciclagem, que é uma cooperativa que trabalha com egressos e pessoas da cominudade carentes com o apoio da FUNAP, elaboramos um vídeo do qual vocês podem conferir  Aqui.

E utilizamos o material de educação que a própria FUNAP disponibilizou do PROESA. Onde diz o que pode ou não ser reciclado. O que é lixo orgânico e o que é lixo reciclável. E obtivemos resultados satisfatório na participação das crianças e na reação delas ao participarem das questões abordadas e do jogo de separar o lixo. Onde foi transmitido a elas a quantidade de lixo que nossa cidade tem potencial de gerar por mês, que seria cerca de 130 toneladas e a quantidade que estamos conseguindo arrecar em relação a este número, que é cerca de 20 a 27 toneladas/mês.

Adorei aplicar este projeto, uma esperiência única.

Agradeço a colaboração de todos que se dispuseram à realização do projeto.



Crianças do CEMPIS


 Aplicação do Projeto com Roberto, Poliana e Fred.





Poliana de Oliveira Ventura

sábado, 6 de novembro de 2010

A Mimo Chic Cuida de você

"Gentem", quem passar por aqui e morar na cidade de São Paulo, não deixe de conferir um SORTEIO maravilhoso que as meninas estão fazendo.
Confiram no link logo abaixo.

http://caramelosechocolates.blogspot.com/2010/11/porque-tem-gente-que-nasceu-pra-fazer.html

De presente, especialmente prá você, a MIMO CHIC & Ivone Lima Beauty vão SORTEAR um DAY SPA.

Você precisa ser nossa seguidora, deixar nessa postagem seu nome, e-mail para contato e cidade. O sorteio será no dia 25 de novembro de 2010. Vamos recebê-la com uma champagne e você será fotografada e sairá aqui no blog !!!

A “mimo-chicosa” vencedora vai passar um dia inesquecível, com :

· Sessão de massagem;

· Banho aromático;

· Manicure;

· Pedicure;

· Spa nos pés;

· Spa nas mãos;

· Tratamento Esfoliante Corporal;

“Cada idade tem a sua beleza,

e essa beleza deve sempre ser uma liberdade”

Robert Brasillach


O Ivone Lima Beauty fica no Itaim Bibi, na Rua Ministro Jesuíno Cardoso, nº 93, aqui em São Paulo. Fone para contato (11) 2667.1796

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Visita à cooperativa de recicláveis

Saiu no "Meu Jornal" a visita que fizemos à Cooperativa Global de Recicláveis da cidade de Mirandópolis.
http://semanariomeujornal.blogspot.com/

Eu e Fred Souza, juntos do pessoal da FUNAP (Fundação "Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel"), fizemos uma vista à Cooperativa Global de Recicláveis, que tem parceria, não só com a FUNAP como também com a Prefeitura de Mirandópolis. Eles fazem coleta seletiva em toda a cidade uma vez por semana. E foi onde descobriram que nossa cidade tem potencial pra gerar cerca de 130 toneladas de lixo reciclável por mês, e eles conseguem arrecadar apenas 30 toneladas, do qual quase 50% às vezes acabam sendo descartado.

A visita se deu no intuito de conhecermos melhor o local para poder transmitir um conhecimento mais completo sobre o processo de reciclagem às crianças das quais estarão participando do Projeto Ser Ecológico, este mês na Biblioteca de Mirandópolis sob a orientação de Fred Souza, Paula e Eu.

Participe desta ação você também na sua cidade. Pratique o ato de separar o seu lixo e procure o ponto mais próximo de coleta de recicláveis. Pode parecer um pequeno ato, mas são de pequenas atitudes que se conseguem grandes conquistas...

Poliana Ventura

sábado, 30 de outubro de 2010

Dieffenbachia seguine - Comigo-Ninguém-Pode

Olá pessoal, eu recebi um email dizendo do poder de envenenamento desta planta e achei um tanto exagerado e resolvi pesquisar sua toxidade, e realmente, não é brincadeira não. Então quem a possuir em casa como uma platinha ornamental, cuidado com seus filhotes... (me refiro, desde bebês a cachorrinhos)...
Segue algumas informaçoes básicas sobre ela, mas se pesquisarem, encontrarão muito mais informações sobre ela.

Classificação científica

Reino: Plantae

Divisão: Magnoliophyta

Classe: Liliopsida

Ordem: Alismatales

Família: Araceae

Género: Dieffenbachia

Espécie: D. seguine


Dieffenbachia seguine (Jacq.) Schott (sinónimo taxonómico de Dieffenbachia picta Schott e de Dieffenbachia maculata (Lodd.) D. Don), mais conhecida pelo nome comum Comigo-ninguém-pode, é uma planta da família das Araceae muito apreciada como ornamental de interiores, dada a sua tolerância à baixa luminosidade ambiente e baixa umidade relativa do ar. Produz grandes folhas variegadas, com vários tons de verde e amarelo, lustrosas e duradouras, o que a torna muito interessante em decoração de interiores.Algumas regiões do mundo, a sua popularidade como planta doméstica é acrescida devido à fama que a planta leva de "espantar o mau-olhado e maus-espíritos".
Suas folhas vistosas atraem a atenção das crianças, em especial aquelas na fase engatinhar, que levam pedaços do vegetal à boca. Nas folhas e no caule dessa planta ocorrem células especializadas chamadas idioblastos que guardam uma grande quantidade de pequenos cristais de oxalato de cálcio em forma de agulhas. Esses cristais recebem o nome de ráfides e são responsávies por grande parte da toxicidade do vegetal. Quando a criança leva a planta à boca e a mastiga, os idioblastos injetam as ráfides nos lábios e na língua da criança, provocando uma grande irritação mecância caracterizada por dor intensa e inchaço.
Segundo alerta publicado no Jornal da Sociedade Brasileira de Dermatologia, o oxalato de cálcio, substância presente na “comigo-ninguém-pode “, ao ser ingerido, pode provocar edema na garganta, levando à asfixia e, em casos extremos, até à morte.
Nos Estados Unidos a comigo-ninguém-pode é conhecida como "dumb-cane" (cana-do-mudo), pois muitos pacientes perdem temporariamente a capacidade da fala devido à obstrução das vias áereas superiores, causada pelo processo inflamatório desencadeado pelos cristais (ráfides)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Conclusão de Mário Dias Varela

Um dia eu quero chegar a uma conclusão parecida. Ja tendo-a como meia verdade. Até porque tenho somente duas décadas... rsss

Poliana Ventura


"Debaixo da minha colcha de retalhos meus erros produziram crescimento, meus desafios oportunidades e meus medos produziram coragem.
A Idade não é a que temos, mas q que sentimos. Desde que cheguei a essa conclusão, comecei a medir a minha vida não por anos, mas por décadas. Nas minhas metas a longo prazo, pretendo, com a ajuda do Grande Arquiteto do Universo, fazer a festa dos meus 100 anos em Londres, com bastante saúde física, mental e financeira, junto com os que mais amo".

Como dizia Mahatma Gandhi: "Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho".

Mários Dias Varela.


Apreciação: Ele é um ótimo professor da vida...

Varela e Poliana, no encontro do grupo Ciranda.

Direito Ambiental No Brasil: As principais leis que regem o Direito Ambiental

Este artigo foi elaborado para minha nota de Legislação Ambiental.
Poliana de Oliveira Ventura.

 1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem como objetivo demonstrar como se fez importante o Direito Ambiental no Brasil dispondo as quatro leis que mais marcaram a legislação brasileira.
Nunca o mundo foi tão verde como tem sido atualmente. São vários os debates acerca de Meio Ambiente e prevenção: consumo sustentável, devastação de florestas, vazamentos de óleo, aquecimento global, entre outras tragédias naturais, que segundo pesquisas têm demonstrado, está intimamente ligada à ação do homem na natureza e ao uso descontrolado de recursos naturais.
Em face de tais acontecimentos e sendo estes assuntos cada vez mais notórios na mídia mundial, Nações têm se unido nas mais diversas formas em busca de uma solução tentando evitar uma catástrofe anunciada para as próximas décadas, caso não sejam tomadas providências no sentido de frear ações que causem danos ao Meio Ambiente em sua totalidade.

2 HISTÓRICO

Já em 1968, começavam a surgir as primeiras movimentações, quando a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) levou em discussão o desenvolvimento ecologicamente sustentável. Os países temiam que desenvolvimento sustentável significasse atraso do progresso, por isso rebatiam estudos e negavam-se a se unirem fortemente em busca de soluções.
Neste caminhar, entre muitos fatos relevantes que começam a surgir no mundo ano a ano, em 1971 aparece umas das organizações mais importante, o Greenpeace, no Canadá. Daí, surge o OCDE (Conselho da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), estabelecendo que poluidores devessem arcar com os custos para reduzir danos ambientais. Um impacto para as grandes empresas e um choque naqueles que acreditavam que Ecologia e Meio Ambiente era um atraso ao progresso.
Mas, foi em 1972 que foi dado o mais importante passo nas discussões ambientais. Neste ano aconteceu em Estolcomo, na Suécia, a Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano, quando foi criado o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. No entanto, apenas foram citados problemas sem soluções. Mas de qualquer forma, já se despontava uma preocupação mais relevante com a presença de líderes mundiais, acerca de o caminho a seguir diante o uso desprogramado do Meio Ambiente.
Não diferente, no Brasil, movimentos também aconteciam diante da consciência ambiental. Aqui, em 1986 é criado a SOS Mata Atlântica, uma ONG (Organização Não Governamental), com o intuito de proteger o que resta da Mata Atlântica.
Em 1988, ano importante para o Brasil, pois foi promulgada a mais nova Constituição Federal; totalmente inspirada nos anseios populares, e que será relatada sua importância ao Direito Ambiental nas próximas linhas; ocorreu o assassinato do seringueiro sindicalista Chico Xavier, considerado um mártir na defesa do Meio Ambiente, visto ter sido um defensor da Amazônia.
E foi no Brasil, também, que em 1992, foi realizada a mais importante reunião com líderes governamentais do mundo inteiro. A ECO 92, no Rio de Janeiro. Fala-se aqui em Biodiversidade e Mudanças Climáticas, mas ainda apontavam-se muitos problemas e poucas soluções, no entanto, em 2005, passa a valer o Protocolo de Kyoto, obrigando países desenvolvidos a reduzir os gases que provocam o efeito estufa e estabelecendo o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo para os países em desenvolvimento.
Mas toda esta descrição histórica serve apenas para iniciar o que realmente tem importância, neste caso, o Brasil diante de todo este movimento, já que esteve envolvido nas principais discussões e possui grandes exemplos de desrespeito à biodiversidade.



3 NASCEM LEIS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE

Durante séculos, o meio ambiente brasileiro foi devastado sem qualquer critério, onde as leis até então existentes no ordenamento jurídico traziam muito mais uma proteção econômica que ambiental. Cristiane Derani cita em sua obra que “a obviedade da necessidade de uma relação sustentável entre o desenvolvimento industrial e meio ambiente é exatamente a mesma da irreversibilidade da dependência da sociedade moderna dos seus avanços técnicos e industriais”. (DERANI, 1997, p. 239)
Foi, então, na década de 80 que a legislação ambiental teve maior impulso com o nascimento da Lei nº. 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação.
Annelise Monteiro Steigleder diz que:
“A responsabilidade civil pelo dano ambiental, instituída pelo artigo 14 § 1º, da Lei 6.938/81, encontra o seu fundamento axiológico na própria constituição federal, a qual incide diretamente sobre as relações privadas, e passa ater uma função especifica: servir a relação do dano ambiental autônomo, protegendo-se a qualidade dos ecossistemas, independentemente de qualquer utilidade humana direta e de regimes de apropriações públicos e privados. Esta percepção é extraída dos fatos de os parágrafos segundo e terceiro do artigo 225 tratarem de responsabilidade pelo dano ambiental logo após o reconhecimento da importância do direito em causa. Cuida-se, então, de perceber que a responsabilidade ambiental pelo dano ambiental possui uma função social que ultrapassa as finalidades punitiva, preventiva e preparatória, normalmente atribuídas ao instituto”. (STEIGLEDER, 2004,p.177).
Outra lei que marca o Direito Ambiental é a Lei nº. 7.347/85, que disciplina a Ação Civil Pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente onde todos têm o direito de invocar a lei na proteção ao meio ambiente.
Consolidada como instrumento avançado da tutela jurisdicional, de acordo com Arruda Alvim, a Lei de Ação Civil Pública “nasceu no âmbito dos interesses difusos e coletivos, em relação a bens nominalmente indicado” (ALVIM, 2005). E, se nasceu vocacionada à proteção de interesses difusos e coletivos, com o Código de Defesa do Consumidor, passou a atingir as situações de "interesses ou direitos individuais homogêneos, assim entendidos os decorrentes de origem comum" (MENDES, 2008).
Enquanto o mundo ainda discutia a respeito do compromisso com questões ambientais, o Brasil já versava em suas normas da Constituição Federal de 1988 sobre o espaço para a atuação da população na preservação e na defesa ambiental, “revelando a importância que a sociedade, o Estado e os instrumentos jurídicos devem ter quando se está diante de um bem jurídico ambiental” (BRITO, 2005).
Disposto no Cap. IV, Art. 225 caput, impondo assim à coletividade o dever de defender o meio ambiente:

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

De acordo com Celso Antonio Paduco Fiorillo e Marcelo Abelha Rodrigues, a preocupação já estava evidenciada com esta iniciativa, pois, os constituintes partiram da seguinte premissa, “proteger o meio ambiente, em ultima análise, significa proteger a própria preservação da espécie humana” (FIORILLO, p.73, 1999).
E por último, não menos importante, entre muitas outras leis, decretos e regulamentações, a Lei nº. 9.605/98, que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente.
Para Eduardo Martins, “a Lei não trata apenas de punições severas, ela incorporou métodos e possibilidades da não aplicação das penas, desde que o infrator recupere o dano, ou, de outra forma, pague sua dívida à sociedade”. Ela é uma ferramenta de cidadania e é importante para que “condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente possam ser punidas civil, administrativa e criminalmente”. (IBAMA)
Ubiracy Araújo diz que a lei protege todos os cidadãos ao assegurar princípios para manter o ambiente ecologicamente correto. “Todos que respiram, que bebem água e que se alimentam diariamente. Protege, assim, a sadia qualidade de vida para os cidadãos dessa e das futuras gerações”. Indo mais longe, pois protege “o planeta”. (Ibidem)



4 CONCLUSÃO
A Natureza é abundante e muito generosa com o homem. O Brasil é conhecido como um dos países de maior biodiversidade do mundo, dono das maiores florestas ainda intactas do planeta, sendo o país mais rico em fauna e flora, com grande enfoque para seus recursos hídricos e minerais. Porém, não tem sabido utilizar o que provem da natureza, não conservando os ecossistemas originais e trazendo grandes impactos ambientais pela má utilização desses recursos naturais, sem pensar que, apensar da abundância, muitos desses recursos são exauríveis.
O Meio Ambiente é um patrimônio valioso que deve ser preservado e recuperado pelo Poder Público e sua coletividade. Daí a importância das leis. Cada brasileiro deve conscientizar-se do uso sustentável da biodiversidade, atendendo suas próprias necessidades, mas sem se esquecer das necessidades das gerações futuras. E o direito ambiental vem como um direito fundamental com a função de juntar a qualidade de vida com desenvolvimento economicamente sustentável, buscando proteger os recursos naturais.




5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
WAINER, Ann Helen. Legislação ambiental brasileira: subsídios para a história do direito. Rio de Janeiro: Forense, 1991.
_________. Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio - Ambiente Humano (Declaração de Estocolmo) [T2] - Declaração de Estocolmo sobre o Ambiente Humano – Disponivel em: www.vitaecivilis.org.br/anexos/Declaracao_Estocolmo_1972.pdf
_______, Lei nº 6.938 de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providencias. Senado Federal. Brasília, DF. v. I, 1981.
STEIGLEDER, Annelise Monteiro. Responsabilidade Civil Ambiental. As dimensões do dano ambiental no direito brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2004.
_______, Lei nº 7.347 de 24 de Junho de 1985. Disciplina a ação civil publica de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (vetado) e dá outras providencias. Senado Federal. Brasília, DF. 1981.
ALVIM, Arruda. Ação Civil Pública – Sua evolução normativa significou crescimento em prol da proteção às situações coletivas. In: MILARÉ, Édis. (Coord.). A ação civil pública após 20 anos: efetividade e desafios. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.
MENDES, Thays Cristina Ferreira. A ação civil pública e a tutela aos interesses difusos e coletivos. Jus Navigandi, Teresina, ano 12, n. 1713, 10 mar. 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2010.
BRITTO, Lucas Tolomei. A Constituição Federal e o meio ambiente - A tutela constitucional ao bem jurídico ambiental. 24 de julho de 2005. Disponível em: http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/2092/A-Constituicao-Federal-e-o-meio-ambiente
_________. Constituição Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado 1988.
FIORILLO, Celso Antonio Paduco e RODRIGUES, Marcelo Abelha. Manual de Direito Ambiental e legislação aplicável. 2ªEd. rev e ampl. São Paulo: Max limonad, 1999.
_________. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Senado Federal. Brasília, DF: Senado 1998.
IBAMA, Apresentação da Lei nº. 9.605/98. Disponível em: http://www.ibama.gov.br/leiambiental/home.htm#apresent
GOMES, Alessandro. Legislação Ambiental e Direito: Um Olhar Sobre o Artigo 225 da Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.fac.br/Revista_eletronica/Legislacao_ambiental_e_direito_art_225_da_CRF_do_Brasil.pdf
SILVA, Thomas de Carvalho. O meio ambiente na Constituição Federal de 1988 – Trata do meio ambiente, seu conceito, a legislação ambiental brasileira e a tutela constitucional do meio ambiente. Disponível em: http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/4873/O-meio-ambiente-na-Constituicao-Federal-de-1988
DERANI, Cristiane, Direito Ambiental Econômico, São Paulo, Max limonad, 1997.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

I Encontro do Grupo Ciranda

Este artigo, Dona Kimie escreveu para o Jornal Diário de Fato, onde foi publicado um encontro do grupo Ciranda. O Grupo é destinado às pessoas que ficam em casa e não tem muitas opções para se divertir, então nosso grupo é um convite para entrar na roda e distribuir as energias por igual.

Ciranda, cirandinha,

Vamos todos cirandar!
Vamos dar a meia volta,
Volta e meia vamos dar.
O anel que tu me destes
era vidro e se quebrou.
O amor que tu me tinhas
era pouco e se acabou.
Por isso dona Landa,
faz favor de entrar na roda.
Diga um verso bem bonito,
diga adeus e vá-se embora!

... a dona Mary, o seu Orozino, a dona Luzia, a Raquel, a Maria, o Joaquim Leite, o seu Zé Olynto, a Chiquinha, o seu Egídio, a Poliana, o Lupércio, a Palmira, o Sr. Varela, a Adelina, o Edson, a Isabel, o Dedé, a Ana, a Juliana, a outra Maria, a Onofra, a Kimie... todos brincaram de roda, e todos disseram seus versos, fazendo declarações de amor aos consortes, abençoando a Ciranda ou mesmo declamando Batatinha quando nasce...
Até o honorável Prof. Walter Victor Sperandio fez suas declarações. Seu sorriso feliz foi registrado por muitas câmeras... O Milton filmou tudo.
Tudo isso aconteceu no dia 15 de outubro à tarde, no Sítio do Dedé, no Restaurante Cozinha Caipira.
O Grupo Ciranda levou 13 convidados, para passar umas horas de lazer com amigos.
Programado para as 15h30, na verdade, iniciou-se as 14h30, graças à ansiedade e pressa de alguns. Pressa de ver os amigos.
Foi um dia de reencontros, de confraternização. Parecia um piquenique.
Todos foram chegando e se abrindo num largo sorriso de felicidade.
E aconteceu naturalmente. Beijos e abraços e sorrisos e troca de notícias.
Depois, os acordes do violão, dedilhado por seu Lupércio Salvá e seu Pedro Squinca. E o coral de Adelina, Maria e Egídio. Muito Bonito.
Mas, quem mais curtiu foi a dona Onofra, que discursou, que dançou e desfilou sua roupa de fuxico, confeccionada pela própria. Dona Onofra.
Todos voltaram à infância na hora da Ciranda, brincando e rindo do próprio acanhamento.
O “menino arteiro” da festa foi o Sr. Mario Dias Varela, com a sacola cheia de badulaques (parecia a caixa de Pandora ao contrário), distribuindo desconcertantes presentes, como se todos fossem crianças. A Poliana dizia “O que eu faço com esse cavalinho de plástico?” A dona Mary Magro “Prá que esse pano de prato?” E a telha de Nossa Sra. de Fátima, abençoada, que trouxe de Portugal... Impressionante a hiperatividade do Sr. Varela, cheio de ideias.
Na ocasião, o Dedé ou José Maria de Carvalho doou para o Grupo, uma casa antiga, para transformá-la em Museu de Mirandópolis.
A casa é de madeira grossa e foi construída há mais de setenta anos – deve ter sido a residência dos primeiros proprietários do sítio. Possui até um fogão de lenha. O Sr. Varela prometeu dar uma melhoria na casa.
As horas passara, rápido. E ninguém queria vir embora. Todos já sonhavam com o próximo encontro.
E foi assim - simples, bonito e agradável, como o tempo com que Deus abençoou o dia.
O Grupo Ciranda realizou um sonho, o sonho de proporcionar umas horas de lazer às pessoas que vivem sós.
Outros encontros vão acontecer.
E outros amigos serão chamados.
Porque a vida é curta e é preciso curti-la melhor, Cirandando.

Mirandópolis, outubro 2010


Kimie Oku

Algumas fotos do encontro.



sábado, 23 de outubro de 2010

Vale a pena compartilhar

O Curta disponivel no site do IB Florestal fez sucesso na internete. Disponível desde terça-feira, 10 de Agosto de 2010.

Filme do diretor Ramin Bahrani mostra as “angústias existenciais” de um saco plástico.
Aclamado no Festival de Cinema Ambiental de Washington, o curta-metragem Plastic Bag, do diretor Ramin Bahrani, retrata as aventuras de um saco plástico através da América, em busca de seu criador. Narrado pelo cineasta alemão Werner Herzog, o filme de 18 minutos mostra a sacola travando uma luta contra sua imortalidade. É emblemática a última frase dita pela sacola plástica no curta: "Queria que me fizesse de forma que eu pudesse morrer".

http://www.ibflorestas.org.br/pt/ultimas-noticias/25-noticias/538-curta-metragem-sacola-plastica-faz-sucesso-na-internet.html

Não consigo colar o video que está disponível no youtube também, mas o link é confiável, podem clicar que ele irá abrir a pagina que disponibiliza o curta.

 
Vale a pena assistir.

Um ótimo dia a todos...



sexta-feira, 26 de março de 2010

O escritor regionalista Guimarães Rosa, (1986), em sua obra Grande Sertão: Veredas, (publicada no início dos anos 1950), faz uma descrição perceptiva do ambiente de Vereda.

Gostei muito, encontrei enquanto pesquisa para enriquecer a minha prova de gestão ambiental.


[...] Saem dos mesmos brejos – buritizais enormes. Por lá, sucuri geme. Cada sucuriú do grosso: voa corpo no veado e se enrosca nele, abofa – trinta palmos! Tudo em volta, é um barro colador, que segura até casco de mula, arranca ferradura por ferradura. Com medo de mãe-cobra, se vê muito bicho retardar ponderado, paz de hora de poder água beber, esses escondidos atrás de touceiras de buritirama. Mas o sassafrás dá mato, guardando o poço; o que cheira um bom perfume. Jacaré grita, uma, duas, três vezes, rouco roncado. Jacaré choca – olhalhão, crespido do lamal, feio mirado na gente. Eh, ele sabe se engordar. Nas lagoas aonde nem um de asas não pousa, por causa de fome de jacaré e de piranha serrafina. Ou outra – lagoa que nem abre o olho, de tanto junco. Daí longe em longe, os brejos vão virando rios. Buritizal vem com eles, buriti se segue, segue. (Rosa, 1986, p. 29-30)

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Oração do Matuto



Ói Deus,
nóis tá sempre pedindo as coisas pro Sinhô.
Nóis pede dinhero
nóis pede trabaio
nóis pede pra chovê
e se chove demais
nóis pede pra pará
mode a coiêta num afetá.
Nóis pede amô
nóis pede pra casá
pede casa pra morá
nóis pede saúde
nóis pede proteção
nóis pede paiz
nóis pede pra dislindá os nó
quando as coisa comprica,
mode a vida corrê mió.
Quando a coisa aperta nós reza
pedindo tudo que nos farta
É uma pedição sem fim
e se as coisa dá certo
nóis vai na igreja mais perto
e no pé de argum santo
que seja de devoção
nóis dexa sempre uns merréis
e lá nos cofre da frente
nóis coloca mais uns tostão.
Mais hoje Meu Sinhô
bateu uma coisa isquisita
e eu me puis a matutá
nóis pede pede e pede
mas nóis nunca pergunta
comé que o Sinhô está
se tá triste ou contente
se precisa darguma coisa
que a gente possa ajudá
e por esse esquecimento
O Sinhô há de nos descurpá.
Ói Deus, nóis sempre pensa
que o Sinhô não precisa de nada
mais tarvêz não seja assim
tarvêz o Sinhô precisa de mim
sim ... o Sinhô precisa, sim
precisa da minha bondade
pecisa da minha alegria
precisa da minha caridade
no trato com meus irmão.
Nóis somos o seu espêio
nóis somos a sua Criação
nóis num pode fazê feio
nem ficá fazendo rodeio
nem desapontá o Sinhô
nem amargá o seu sonho
que foi um sonho de amô
quando essa terra todinha criô.
Ói Deus, eu prometo
Vou rezá de outro jeito
vou pará com a pedição
e trocá milagre por tostão
tarvez até eu peça uma graça
mas antes eu vô vê direitinho
o que é que andei fazendo de bão
e se nada de bão eu encontrá
muito vou me envergonhá
e ainda vô pedí perdão

TPM. Do que as mulheres precisam nesse período?

Eu sou um caso raro entre as mulheres da minha idade. Ao contrário das mulheres que de certa se habituaram e passam a esperar todo mês por um processo "biológico e natural" do organismo, eu me preparo para o mesmo uma vez no ano e olhe lá. E sempre sou pega de surpresa. Ainda não aprendi a lidar ou aceitar, que seja, uma Tensão Pré Menstrual. Eu como mulher sempre tenho minhas faltas de paciência, meus momentos de raiva e impetuosidade e mal humor com frenquência, o chamado disturbio de humor. Mas a sensação de ter isso e estar menstruada ao mesmo tempo é muito ruin. E se "quem ama é claro que cuida", então seria mais que naturar compreender esse processo e em vez de se sentir um ser sendo pisotiado e afundado pela mulher amada, e simplesmente compreender e esperar esse momento passar...

A TPM é uma desordem neuropsicoendócrina com sintomas que afetam a mulher na esfera biológica, psicológica e social.

É um momento que exige esforço, talvez “sobre-humano” para evitar qualquer estrondo – brigas, choradeiras, desagrados, tristeza – entre outras coisas do gênero. Evitar! Essa é uma ação importante para ser executada!
De fato, as mulheres ficam um tanto mais provocadoras e intransigentes nesse momento. Só que evitar não é deixá-las totalmente de lado, “jogada às traças”. O interessante é manter um mix de deixá-la um pouco na “dela” e, ao mesmo tempo, se fazer presente, dar muita atenção e carinho, já que é um momento também em que a mulher está à flor da pele e “que até um beijo de novela me faz chorar”. Ou seja, a sensibilidade e a carência estão presentes, em menor ou maior grau, e ela precisa de carinho! Parece uma idéia louca deixá-la na dela e ser presente, mas com o tempo, entende-se o significado disso. É complexo mesmo! Ninguém falou que seria fácil! É o período das trevas! Nada agrada, tudo é meio cinzento, tudo parece mais difícil, a baixa auto-estima aproxima-se tornando tudo mais tenebroso, tudo parecer dar errado, quer matar o primeiro que contraria a sua idéia!

http://noticias.terra.com.br/educacao/vocesabia/interna/0,,OI1495822-EI8407,00.html
http://www.mulher.palpitedigital.com.br/tensao-pre-menstrual-tpm-como-lidar-com-mulheres-com-tpm/

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

MENINA ARTEIRA

Esses são uns dos artigos que eu faço entre outras coisinhas.. hehe
Os chaveiros fofos eu aprendi com uma amiga e os resto a gente inventa né, com um pouco de criatividade a gente chega em qualquer lugar...
Se alguém se interessar pode entrar em contato comigo, a gente vê o que pode ser feito.. ^_^
Um abraço especial pra quem leu...
Beijos meu.

O QUE É SUSTENTABILIDADE?

PROMOVO O USO SUSTENTÁVEL... Com tanto que o custo destes bichinhus de pelúcia não tenham preços superiores aos bichos de pelúcias convencionais, felpudos, anti alérgicos e etc, ja que são feitos de "sobras", tecidos que sobraram e foram utilizados pra esta finalidade.


quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Uma música linda entre muitas outras da minha lista

Shimbalaiê - Maria Gadú
Composição: Maria Gadú

Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar
Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar (2x)
Natureza deusa do viver
A beleza pura do nascer
Uma flor brilhando à luz do sol
Pescador entre o mar e o anzol
Pensamento tão livre quanto o céu
Imagino um barco de papel
Indo embora pra não mais voltar
Tendo como guia Iemanjá
Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar
Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar (2x)
Quanto tempo leva pra aprender
Que uma flor tem vida ao nascer
Essa flor brilhando à luz do sol
Pescador entre o mar e o anzol
Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar
Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar (2x)
Ser capitã desse mundo
Poder rodar sem fronteiras
Viver um ano em segundos
Não achar sonhos besteira
Me encantar com um livro, que fale sobre vaidade
Quando mentir for preciso, poder falar a verdade
Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar
Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar (4x)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Simplesmente Eu


Nasci, cresci e estou aqui... Porque a gente mal nasce e ja começa a morrer?